Academia de Polícia Militar Barro Branco: saiba tudo aqui

Quem exerce cargo na Polícia Civil ou Militar do estado de São Paulo ou quem pretende ingressar na corporação por meio de provas classificatórias certamente já ouviu falar da Academia de Polícia Militar Barro Branco. E se por acaso um estudante ou aspirante desatento ou muito precoce não ouviu certamente irá ouvir muito a respeito dessa instituição se continuar firme na pretensão de se tornar um policial pelo estado.

E isso porque a Academia de Polícia Militar Barro Branco é praticamente responsável por todo o corpo policial existente hoje no ente mais populoso e rico da nação e também pode ser considerada como célula mãe, embrionária, das forças públicas a serviço do Estado, uma pedra de fundação da corporação policial existente em São Paulo.

E sua importância não se limita ao aspecto histórico. A Academia de Polícia Militar Barro Branco continua relevante e a desempenhar papel vital para a renovação e manutenção da força policial que atua todos os dias no “coração do Brasil”.

Qual a história da Academia de Polícia Militar Barro Branco e qual a sua importância para a polícia atualmente, porque os que disputam vaga para se tornarem policiais devem ter conhecimento sobre o seu papel?

Saiba as respostas dessas perguntas a seguir conferindo os tópicos abaixo.

Prossiga na leitura.

A história da Academia de Polícia Militar Barro Branco

É importante deixar claro que a Academia de Polícia Militar Barro Branco não foi responsável pela criação da tropa da Força Pública, entidade anterior a Polícia Civil e Militar e que fazia o papel de proteger os cidadãos de criminosos e investigar crimes. A Força Pública é predecessora da Academia de Polícia Militar Barro Branco.

No entanto, pode-se afirmar que a Academia de Polícia Militar Barro Branco foi responsável pela “refundação” dessa organização que, em decorrência dessa transformação proporcionada pela academia, incorporou muitas das características que reconhecemos hoje nas forças policiais.

Sua história começa em 1910 quando o então governador do estado de São Paulo, Jorge Tibiriçá, resolveu contratar um curso da Missão Militar Francesa, Curso Literário e Científico.

O propósito da contratação de tal curso junto a uma força estrangeira era o de oferecer instrução aos integrantes da Força Pública sobre técnicas e procedimentos mais modernos para exercer o trabalho, pois foi entendido que as tropas estavam por demais obsoletas para lidar com os desafios de uma sociedade que se transformava rapidamente com a chegada de milhares de imigrantes para suprir a necessidade de mão de obra.

A partir do intercâmbio, do conhecimento passado pela Missão Militar Francesa, foi-se acumulado conhecimento e experiências sólidas o suficiente para se criar um curso preparatório voltado especificamente para a instrução de novos cadetes. Em 1913 é criado então o Corpo Escolar com cursos ministrados para inferiores e para Alferes e Tenentes.

Desse centro de ensino que se originou do curso de 1910 é que se criou uma nova base, uma filosofia que norteou e norteia o aprendizado de novos cadetes e integrantes da polícia por todo o estado até os dias que seguem, é o principal centro de ensino para a formação de policiais dentro de São Paulo.

Academia de Polícia Militar Barro Branco

Por que Barro Branco?

A Academia de Polícia Militar Barro Branco (APMBB) veio ganhar esse nome por causa do bairro em que foi construída a atual sede. Construção iniciada em 1940 e terminada em 1944. Mas só passou a ser reconhecida oficialmente com esse nome, apesar de há muito internamente ser alcunhada com esse nome, apenas em 1978 por meio de decreto nº 11.241 de 09 de março do referido ano, coincidindo com a fusão entre Guarda Civil e Força Pública.

O Centro de formação

A Academia de Polícia Militar Barro Branco passa a se dedicar exclusivamente a formação de oficiais por meio de cursos e estágios específicos em 1985 e permanece até os dias atuais como principal polo de formação de novos cadetes e para poder ingressar na Academia de Polícia Militar Barro Branco é preciso prestar concorridíssima prova de admissão, que envolve seis fases.

As fases do exame

A primeira etapa é prestar prova teórica que de 1996 a 2009 era desenvolvida em parceria com a Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST), não à toa a prova da Academia de Polícia Militar Barro Branco é considerada até hoje tão concorrida quanto o da própria FUVEST, mas a partir de 2010 o exame passou a ser de responsabilidade da Fundação VUNESP.

A prova teórica é constituída por oitenta questões envolvendo oito disciplinas.

Depois dessa fase, a seguinte é a de condicionamento físico, para muitos a parte mais complicada, pois o nível de exigência é alto e se o candidato não preparou sua parte física tanto quanto a parte teórica sofrerá com o rigor dos avaliadores.

Concluída a análise física, inicia-se a terceira fase que são os exames de saúde para averiguar se o candidato não apresenta nenhuma enfermidade em curso que possa a inviabilizar as suas funções dentro da corporação militar. Concomitante os testes de saúde vem os testes psicológicos.

A quinta fase é a investigação social, onde peritos de investigação vão analisar se o candidato apresenta aptidão para o cargo, se a sua conduta no passado é condizente a função que almeja, se de fato mostra indícios de dignificar a imagem da força policial ou não.

Por fim, a sexta e última fase é a verificação dos documentos e títulos.

Academia de Polícia Militar Barro Branco

Depois da aprovação

Ao ser aprovado para ingressar no curso da Academia de Polícia Militar Barro Branco, os novos cadetes ficam sob-regime de internato, isto é, fica na academia de segunda sexta para os estudos do curso de bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública. O tempo do curso é de 3 anos sendo que os dois primeiros são nesse sistema de internato, contudo, os alunos são remunerados e contam com toda a estrutura necessária para dormir e se alimentarem no local, além de fazer as atividades extracurriculares.

O último ano do curso da Academia de Polícia Militar Barro Branco é dedicado para o estágio supervisionado, cujo tempo de duração irá depender do aluno.

Formado na Academia de Polícia Militar Barro Branco, o cadete será inserido na hierarquia da Polícia Militar como aspirante a oficial do quadro de oficiais.